A aventura ferroviária da Frau

Essa história é antiga, muito tempo antes do celular. Tenho colegas maravilhosos e em nossos fantásticos almoços das sextas-feiras costumam ser lembradas as histórias pitorescas de cada um. Outro dia, uma colega contou sobre sua aventura ferroviária, quando numa véspera de feriado precisou ir a Ijuí e não havia mais passagens de ônibus disponíveis. Resoluta, a criatura embarcou num trem, munida de malas e namorado, pronta para viver uma aventura. E foi! Só que um pouquinho diferente da visão romântica que ela tinha. Ao entrar na composição ela meio que se assustou com o povaréu que apinhava bancos (duros de madeira) e corredores do trem. Não é de hoje que ela tem uma imperiosa vontade de fazer xixi, com uma certa frequência. Pois bem, viagem transcorrendo, ela suando frio, lá pelas alturas de Canoas resolve ir até o banheiro. Após atravessar o mar de gente ela chega ao banheiro e bate na porta. Banheiro ocupado e ela aguarda, bate, aguarda, bate e nada. Depois de muito tempo ela bate com mais veemência e, para surpresa, constata que há uma família inteira dentro do banheiro. Como o banheiro era grande e o trem estava entupido de gente, a família resolveu se instalar dentro dele e não queria sair de lá. Depois de muito argumentar, ela consegue que a família se esprema de volta ao corredor lotado e ocupa o banheiro. Já em pânico, ela começa a chorar pensando em como serão as próximas idas ao banheiro. Aos soluços, retorna ao seu assento e comunica o namorado que não poderão seguir viagem. Em volta, o povaréu começa a olhá-la de cara feia e passa a debochar abertamente. Muito compreensivo (quase um santo) o namorado pega as malas e vai em direção à cabine pedir que parem o trem de qualquer forma, porque a namorada está passando mal. Ela atrás dele continua aos prantos. Por incresça que parível, o trem parou lá pelas bandas de Esteio e largou os dois de mala e cuia no meio dos trilhos, no maior breu do mundo. Até a saída dos dois, mortos de vergonha, os dois passageiros disseram poucas e boas e ainda os vaiaram. Por entre os trilhos, carregando as malas, buscaram luzes no rumo da capital e pararam num trailler de cachorro quente. Do orelhão, pediram a um parente que os resgatasse em Canoas. Não teve jeito: naquele feriado o descanso foi por aqui mesmo.

4 Respostas para “A aventura ferroviária da Frau

  1. Nossa Denise!
    Ficou ótimo…ri muito enquanto lia.
    Na época foi assustador hoje ao ler teu texto parece muiiiito divertido.
    Abraços

  2. Cara Denise – conheço a figura! Ela sabe de todos os banheiros do Rio Grande do Sul, é uma lenda passearmos com ela por aí. Mas acrescentasse outro personagem, este do sexo masculino, tb amigo nosso, que tem as mesmas vontades. Então, quando viajamos em bando, dez casais mais ou menos, estes dois, a Neiva e o outro, nos proporcionam um farto conhecimento dos mais recônditos recantos para fazer xixi.
    Um abraço, Susana

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s